Categorias
Sem categoria

Testemunho da História contra a pregação leiga

“Todo mundo pode tudo”.

A eclesiologia do Evangélico médio, até mesmo de alguns reformados mais instruídos hoje, tende a concordar com a noção de que qualquer um pode pregar, batizar e ministrar a Ceia, desde que com algum consentimento da comunidade local.

Tratam-se as prerrogativas do Ministério como mera invencionice humana, sem base alguma na Bíblia.

Por isso, achamos que qualquer um pode fazer, no tempo livre, o que o pastor faz com autoridade em tempo integral. Alguns ainda mantém a defesa da pregação leiga, mas condenam a ministração dos sacramentos por leigos.

Mas, iludidos pelo nosso sistema democrático de governo civil, muitos de nós inclusive pensam que as funções públicas de pregar e ministrar ceia e o batismo podem ser realizadas por qualquer um, desde pastores, passando por diáconos e chegando até mesmo em leigos e mulheres.

De fato, essa tese confusa foi defendida no passado por arminianos e socinianos. Não é de se surpreender que worshipeiros, pentecostais, metodistas wesleyanos e “neo-anabatistas” defendam essa visão no Brasil hoje.

Quem nunca assistiu uma igreja conceder uma “oportunidade” para o “irmãozinho” pregar? Ou um recém-convertido enviado para “pregar” no ônibus ou na rua?

Esse texto é mais uma prova de que a anarquia eclesiástica em que vivemos é contra a Palavra e foi duramente condenada pelos melhores teólogos das Igrejas Reformadas e Protestantes.

Inicialmente, a maioria das citações foram tiradas desse artigo em inglês aqui, e traduzidas diretamente dessa língua.

Ao longo do tempo, vou adicionando por aqui mais citações e testemunhos que eu porventura encontrar.

Recomendo a leitura não só das citações, mas também das fontes em que há um link, pois muitos outros bons argumentos aparecem nos textos originais que, para evitar de ser longo demais, eu não trouxe para o texto.

Que Deus te abençoe e apresse a vinda da Paz na Igreja Brasileira!

Lembre-se de compartilhar esse texto com quem precisa!

E não são poucas as igrejas que necessitam de aprender isso… comece enviando para seu pastor.

Confissões

Confissão de Augsburgo (Luterana):

Da ordem eclesiástica se ensina que sem chamado regular,40 ninguém deve publicamente ensinar ou pregar ou administrar os sacramentos na igreja.

ARTIGO 14: DA ORDEM ECLESIÁSTICA

Os 39 Artigos da Religião, Confissão da Igreja da Inglaterra:

A ninguém é lícito tomar sobre si o cargo de pregar publicamente, ou administrar os Sacramentos na Congregação, antes que seja legalmente chamado, e enviado a executá-lo. E devemos julgar por legalmente chamados e enviados aqueles que tiverem sido escolhidos e chamados para essa obra pelos homens revestidos publicamente de autoridade, dada a eles na Congregação, para chamar e enviar Ministros à vinha do Senhor.

XXIII. DA MINISTRAÇÃO NA IGREJA

Segunda Confissão Helvética:

Os ministros devem ser chamados e eleitos. Ninguém deve usurpar a honra do ministério eclesiástico; isto é, apoderar-se dele por suborno ou quaisquer enganos, ou por sua própria escolha. Que os ministros da Igreja sejam chamados e eleitos por eleição legal  e  eclesiástica; isto é, que sejam eleitos escrupulosamente pela Igreja ou por aqueles que dela receberam delegação para tal fim, na devida ordem, sem qualquer tumulto, divisões ou rivalidade. Não se eleja qualquer um, mas homens idôneos, que se distingam por suficiente cultura sagrada, piedosa eloquência, sabedoria simples, e por fim, pela moderação e reputação honrada, segundo a regra apostólica fixada pelo apóstolo em I Tim, cap. 3, e Tit, cap. 1.

Ordenação. E os que foram eleitos sejam ordenados pelos anciãos com orações públicas e imposição das mãos. Aqui condenamos todos quantos concorrem por conta própria, não sendo nem escolhidos, nem enviados, nem ordenados (Jer. cap. 23). Condenamos os ministros ineptos e os desprovidos dos dons necessários a um pastor. Ao mesmo tempo, reconhecemos que a inocente simplicidade de certos pastores na Igreja Antiga por vezes aproveitou mais à Igreja do que a erudição multiforme,  refinada  e  elegante mas demasiado infatuada de outros. Por esse motivo não rejeitamos, nem mesmo hoje, a simplicidade honesta de alguns, que não é, porém, de modo algum ignorante.

Artigo 18

Catecismo Maior de Westminster

“P: Por quem a palavra de Deus deve ser pregada?

R: A palavra de Deus deve ser pregada apenas por aqueles que são suficientemente dotados, e foram também devidamente aprovados e chamados para esse cargo.

Pergunta 158

Teólogos Relevantes e Sínodos

Ulrico Zwinglio:

[1]  “Os catabatistas assumem para si mesmos o ofício de pregar, e a outros, que são legitimamente separados pelas igrejas cristãs, eles perguntam: Quem os elegeu? 

Pois eles (os catabatistas) não são enviados nem mesmo por sua igreja má. 

Mas aqui eles não consideram as Escrituras. Não têm força. Não lemos que algum dos verdadeiros apóstolos assumiu para si o ministério da palavra. Portanto, ninguém deve assumir isso para si mesmo. Quando Paulo pergunta: Como eles pregarão a menos que sejam enviados? (Rom 10:15] que ele ouça: catabatistas. 

Por que autoridade, oram? A do pai da mentira e da contenda ”

(Ulrich Zwingli: Selected Works, ed. Samuel Macauley Jackson [Philadelphia, PA: University of Pennsylvania Press, 1972], pp. 256-257).

E diz mais:

[2] “Nem todos nós devemos ser pregadores, como Paulo indica em 1 Coríntios. 12:29, ‘Somos todos apóstolos? Todos são profetas? São todos professores? ‘ etc., como se dissesse ‘Não’ Portanto, é grosseira arrogância desses pregadores autodesignados se apropriarem de todos os ofícios e desprezar tudo o que eles próprios não podem fazer … Havia vários milhares de crentes em Jerusalém, mas não mais do que doze mensageiros. Aqui, todos eles são mensageiros”

[3] “O Nosso Senhor Cristo Jesus mesmo prova aos judeus em um longo discurso que foi enviado pelo Pai, João 8: 12-58. Em João 6:57 ele diz: ‘Assim como o Pai me enviou ao mundo, eu também os enviei.’ Em João 20:21, ‘Assim como o Pai me enviou, eu também te envio.’ Gl 4: 4, ‘Deus enviou seu Filho ao mundo’, etc. De todos esses textos, podemos ver que o envio é essencial antes que qualquer pessoa possa assumir publicamente a tarefa de pregador, que o próprio Cristo Jesus torna frequentemente conhecida a autoridade de sua própria vocação pelo que ele diz e por outros meios ”

[4] “Quando Judas saiu desta vida enforcando-se e quebrou a comunhão dos apóstolos, ninguém ousou elevar-se ao seu lugar; em vez disso, toda a congregação escolheu em Atos 1: 15-26. Da mesma forma, quando havia escassez de ministros, ninguém se afirmava elevando-se a ministro, o que possivelmente poderia ser uma vantagem para essa pessoa. Em vez disso, toda a congregação escolheu os sete ministros de acordo com Atos 6: 1-6; tudo isso apenas para cuidar de assuntos temporais. 

Mais tarde, quando os apóstolos souberam que Samaria havia aceitado a palavra de Deus por causa da pregação de Filipe, nem todos correram para ajudá-los; antes, eles enviaram dois, Pedro e João em Atos 8 [: 14]. Quando servos auto-nomeados vieram a Antioquia e confundiram a comunidade crente sobre a questão da circuncisão (assim como os rebatizadores fazem agora), ninguém correu para Jerusalém por conta própria, mas eles delegaram Paulo e Barnabé, junto com outros, para ir para Jerusalém, Atos 15: 1-21. Da mesma forma, quando eles foram enviados uma segunda vez, apenas aqueles que foram delegados para fazê-lo foram com eles ”(Ibid., P. 177).

[5] “ Disso mesmo Paulo fala de forma geral de todos os servos da palavra em Romanos 10:15: ‘Como devem pregar, a menos que tenham sido enviados?’ 

Por meio dessas palavras, vemos claramente que ninguém deve se comprometer a pregar a menos que seja enviado. Nem mesmo na época dos apóstolos alguém se propôs a isso. Aqueles que se colocaram a si mesmos sempre foram considerados hereges; isto é, sectários ”(Ibid., p. 178).

[6] “Portanto, agora devemos falar de sermos comissionados ou escolhidos. Isso pode ser facilmente aprendido com os textos citados acima. É certo da palavra de Cristo [João 20:21], ‘Assim como meu Pai me enviou, eu também vos envio’, que todos os que têm a pretensão de pregar deveriam ter sido enviados por Deus, ou então são aqueles trabalhadores ímpios de quem Paulo fala em Fil. 3: 2. 

Além disso, aquele que é enviado por Deus é, ademais, marcado por sinais externos, como milagres ou uma clara eleição. Por exemplo: Deus escolheu Paulo como seu mensageiro, não apenas em seu coração, mas ele o marcou também por uma conversão maravilhosa, enquanto Matias foi escolhido por sorteio por toda a congregação dos cristãos, Atos 1:26. Assim, sem exceção, desde o tempo dos apóstolos até nossos dias, ninguém se elevou ao cargo de bispo até e a menos que fosse escolhido. Falo apenas de bispos ou ministros genuínos que pregam. Dos outros tiranos, alguns dos quais instigaram grande derramamento de sangue, não falo ”(Ibid., P. 178).

[7] “Portanto, ninguém deve, sob nenhuma condição, apropriar-se do ofício de evangelista, exceto aquele que foi nomeado e marcado por Deus interna e externamente. Nem todo mundo é bispo instantaneamente apenas porque expôs as Escrituras na congregação, ou então Paulo não teria precisado fazer as muitas distinções de ofício que ele indicou não apenas aqui em Efésios 4:11, mas também em 1 Coríntios. 12:28 e Romanos 12: 7, 8 “

[8] “Pois não seria pequeno o erro se todos na cidade que são cidadãos quisessem ser prefeitos. E não está nada correto quando eles objetam aqui com 1 Pet. 2: 5, 9, ‘Somos todos sacerdotes’, pois não falo aqui de ser consagrado ou não ser consagrado, mas do ofício de mestre. É verdade, claro, dizer que somos consagrados ao tipo de sacerdócio que no Novo Testamento oferece sacrifícios, pois isso não é outro senão aquele em que cada um que se oferece a si mesmo, Rom. 12: 1. No entanto, ainda não somos todos apóstolos e bispos, 1 Cor. 12:29 ”(Ibid., P. 182).

(“ On The Preaching Office, ”em Huldrych Zwingli Writings, Volume 2: In Search of True Religion: Reformation, Pastoral and Eucharistic Writings [Eugene, OR: Pickwick Publications, 1984], p. 174 em diante) .

João Calvino:

“Deus repetidamente elogiou sua dignidade pelos títulos que ele conferiu a ela, a fim de que pudéssemos considerá-la na mais alta estima, como uma das mais excelentes de nossas bênçãos. 

Ele declara que, ao formar mestres, confere um benefício especial aos homens, quando convida seu profeta a exclamar: ‘Quão belos são sobre os montes os pés daquele que anuncia a boa nova e proclama a paz’ ​​(Isaías 52: 7),  e quando ele chama os apóstolos a luz do mundo e o sal da terra (Mt 5: 13-14). 

Nem poderia o ofício ser mais altamente elogiado do que quando ele disse: ‘Quem vos ouve, me ouve; e quem vos despreza, despreza a mim’ (Lucas 10:16). Mas a passagem mais notável de todas é a da Segunda Epístola aos Coríntios, onde Paulo trata, por assim dizer, claramente desta questão. 

Ele afirma que não há nada na Igreja mais nobre e glorioso do que o ministério do Evangelho, visto que é a administração do Espírito de justiça e vida eterna. 

Essas e outras passagens semelhantes deveriam ter o efeito de impedir que esse método de governar e manter a Igreja pelos ministros, um método que o Senhor ratificou para sempre, pareça inútil aos nossos olhos e, por fim, se torne obsoleto pelo desprezo … 

Agora, considerando que na sagrada assembleia todas as coisas devem ser feitas decentemente e em ordem (I Cor. 14:40), não há nada em que isso deva ser mais cuidadosamente observado do que no estabelecimento de governo, irregularidade em qualquer aspecto sendo mais perigosa. 

Portanto, para que os homens inquietos e turbulentos não se impulsionassem presunçosamente para ensinar ou governar (o que poderia acontecer de outra forma), estava expressamente previsto que ninguém deveria assumir um cargo público na Igreja sem um chamado (Hb 5: 4; Jer. 17:16). 

Portanto, se alguém deseja ser considerado um verdadeiro ministro na Igreja, deve primeiro ser devidamente chamado; e, em segundo lugar, ele deve responder ao seu chamado; isto é, empreender e executar o cargo que lhe foi atribuído. 

Muitas vezes isso pode ser observado em Paulo, que, ao aprovar seu apostolado, quase sempre alega um chamado, junto com sua fidelidade no desempenho do cargo. Se um grande ministro de Cristo não ousa arrogar para si mesmo autoridade para ser ouvido na Igreja, a menos que tenha sido nomeado para ela pelo comando de seu Senhor, e fielmente cumprindo o que foi confiado a ele, quão grande é a afronta para qualquer o homem, desprovido de um ou de ambos, exigir para si tal honra ”

(Institutas 4.3.3, 10).

Guido de Brès, autor da Confissão Belga, mártir da nossa religião cristã nas mãos dos papistas:

“Se nos fosse lícito vangloriar-nos, não o seria na nossa santidade, perfeição e mortificação, como o fazem; mas apenas na pura misericórdia de Deus por meio de Jesus Cristo: se tal gravidade e honestidade de vida fossem o verdadeiro sinal da vocação para o Ministério, seguir-se-ia que todas as pessoas honestas e boas deveriam ser Ministros da Igreja; mas é sabido que isso é falso, 1 Cor. 7,10. Nem poderia ser verdadeiro, pois existe uma ordem para cada um andar na vocação em que é chamado, 1 Coríntios. 12,29. 

Ele também pergunta: São todos apóstolos? são todos profetas? são todos professores? Todo cristão pode ou deve ler e falar das Escrituras; não se segue, portanto, que todos os cristãos são pregadores e ministros das igrejas, mas apenas aqueles que são legalmente chamados; nem cessa a vocação para qualquer falha que possa ser encontrada na vida do que é chamado (o que não é falado para dar ocasião para tornar os Ministros negligentes, Deus nos livre, mas a exortação do Apóstolo Paulo, é sempre necessária para os Ministros).

Pedro não deixou de ser um apóstolo verdadeiro e legitimo [Atos 6: 6], quando ele tão grosseiramente falhou, Gal. 2.11, 12. É bem sabido que nossos Ministros são chamados ao cargo pela voz e consentimento comum de toda a Igreja; e que depois de jejuar e invocar o nome de Deus, de acordo com a instituição apostólica, e são confirmados em seu ofício por imposição de mãos: que razão há para esses sectários dizerem que seus ministros são chamados por Deus, mas os nossos apenas pelo mundo e pelos homens? Se seus ministros têm um chamado especial como os apóstolos tiveram, deixe-os provar isso por sinais, milagres, dons de línguas e Doutrina Apostólica, como aqueles fizeram.

A Igreja não tem necessidade de seus ministros [dos anabatistas]; pois a Doutrina do Arrependimento, Emenda de vida e Remissão dos pecados em Nome de Cristo é abundantemente declarada na Igreja de Cristo: ensinar a mesma coisa é supérfluo; se você ensina qualquer outra Doutrina, então você e sua Doutrina são amaldiçoados, e não devem ser ouvidos… 

Ficará claro, então, que esses que dizem que nossos Ministros não são chamados por Deus perderam seus sentidos espirituais

Deus colocou singular honra nos Ministros; sim, que maior honra poderia ele atribuir a eles do que dizendo: Quem vos ouve, ouve-me; e quem boa rejeita, rejeita a mim?

O Senhor não apenas por palavras, recomendou os Ministros à Igreja; mas também pelo exemplo, mostrou com que honra e reverência todos deveriam recebê-los. 

O Espírito Santo poderia ter ensinado o eunuco etíope sem o ministério do homem [Atos 8], mas ele manteve esta ordem. Também Cornélio, Deus poderia tê-lo ensinado pelo anjo [Atos 10: 5], mas ele mandou chamar Pedro. Quando nosso Senhor chamou Paulo, ele mesmo poderia tê-lo instruído, mas ele foi enviado a um homem mortal, para receber a Doutrina da Salvação e do Batismo: eis outro caso que não saiu por precipitação, pois um Anjo de Deus deveria evitar de entrar no Ministério [Atos 9: 6], e deveria enviá-lo a um homem, um Ministro, para pregar a ele. 

Quem, com uma boa Consciência, ousa então desprezar o verdadeiro Ministério, tão altamente honrado por Deus; e para fazer os homens odiá-lo, e fazer com que os homens corram atrás daqueles que não eram ministros legítimos, mas ladrões, salteadores e lobos cruéis, que não poupam o rebanho de nosso Senhor Jesus Cristo? ” 

(A ascensão, primavera e fundação dos anabatistas, ou rebatizados de nosso tempo, trad. Joshua Scottow (1565; Cambridge MA: Marmaduke Johnson, 1668), pp. 35-37).

Sínodo de Debrecen (1567):

“XVIII. Ninguém deve ser admitido ao serviço da igreja sem o escrutínio e indicação da igreja. Não admitimos ninguém sem ordenação e exame na doutrina e na moral sob o escrutínio da igreja, pois, como está escrito: ‘Primeiro sejam examinados e depois sirvam’ (1 Timóteo 3:10; Tito 1: 5ss.). ‘Eles correram, mas eu não os enviei’ (Jeremias 23:21). ‘Eleja para mim Paulo e Barnabé’ (Rom. 8-10; Atos 11:30; 13: 2). Portanto, ninguém corra sem o chamado, mas que todos os eleitos para um cargo sejam chamados, ordenados e examinados. Pois nenhum dos profetas e apóstolos ensinou sem uma vocação legítima. ‘Ninguém usurpe o cargo de mestre, a menos que seja nomeado como Arão’ (Heb. 5: 4; 7-8; 1 Cor. 11, 13).”

(James T. Dennison, Jr. (ed.), Confissões Reformadas dos séculos 16 e 17 na tradução para o inglês [Grand Rapids, MI: Reformation Heritage Books, 2012], vol. 3, p. 111).

Sínodo de Dort (1618-19):

“3 Ninguém, embora seja mestre, presbítero ou diácono, terá permissão para entrar no ministério da Palavra e dos Sacramentos sem ter sido legalmente chamado para isso; e se alguém agir de forma contrária a isso e, tendo sido frequentemente advertido, não desistir, o conselho julgará se ele deve ser declarado cismático ou punido de alguma outra forma.

4. A vocação legítima de quem anteriormente não exerceu funções, tanto nas cidades como no campo, consiste em:

Primeiro, em sua eleição, que será realizada após jejum e oração anteriores pelo presbitério e diáconos …

Em segundo lugar, no exame ou investigação tanto da doutrina quanto da vida, que será feito pela classe na presença dos deputados do sínodo ou de algum deles.

Terceiro, na aprovação e parecer das autoridades e, posteriormente, dos membros da congregação reformada local(…)

Finalmente, na ordenação pública na presença da congregação, que deve ocorrer com as devidas estipulações(…) com o entendimento de que a imposição de mãos pode ser feita na reunião presbiterial para o ministro recém-formado(…).

Ordem Eclesiástica de Dort (traduzi ‘classis’ como presbitério pois são instituições equivalentes)

Samuel Rutherford, Comissário Escocês na Assembleia de Westminster:

Adoração Privada

Ninguém pode pregar a palavra conosco, exceto os pastores e os filhos dos profetas, e outros semelhantes que visam o ministério sagrado, e a autoridade eclesiástica deve autorizá-los [os que visam o ministério] por nossa Lei e prática, como era na época Igreja Judaica (1 Sam. 10: 5; 2 Reis 2: 7; 2 Reis 4: 1; 1 Reis 20:35). (…)

Nossa Assembleia também ordena conferência piedosa em todas as reuniões ocasionais ou como a providência de Deus dispuser, como a palavra de Deus ordena (Heb. 3:13; 1 Tes. 5: 11,12; Lev. 19:17; Zech. 8:21; Mal. 3:16; Col. 3:16), desde que ninguém que não seja chamado por Deus e sua Igreja invada o ofício do pastor para pregar a palavra (Heb. 5: 4,5; Rom. 10: 14-15; 1 Cor. 12: 28,29).

CH. 20, É ou Não é Possível Provar pela Palavra de Deus que o Governo da Igreja da Escócia é legítimo? (Artigo 13), nota minha entre chaves para maior clareza.

Robert Baillie, Comissário Escocês na Assembleia de Westminster:

[3] “MAIOR:Quem tem poder para pregar é enviado por Deus para pregar.

MENOR: Mas, aqueles que não têm ofício na Igreja não são enviados por Deus para pregar,

LOGO: Aqueles que não têm ofício na Igreja não têm poder para pregar.

O Maior é baseado em Rom. 10,15. “Como eles podem pregar a menos que sejam enviados?”

O menor pode ser provado não apenas a partir da natureza da coisa, i.e o chamado de Deus para pregar, e a pregação ordinária de um homem sob o chamado de Deus, indicando um cargo e encargo para fazer tal obra; mas também da passagem em questão em comparação com sua fonte, de onde é derivada, Isa 52.8: “Teus vigias levantarão a voz”, onde é claro que aqueles a quem o Senhor envia para pregar são vigias, de cujas mãos o sangue daqueles que morrem sem aviso será exigido, Ezeq. 33,6. Eles velam pelas almas dos povos como quem deve prestar contas, Heb. 12,17. o que não é verdade para qualquer homem que não tenha ofício. ”(Ibid., pp. 175-176).

Dissuasive Against The Errors of Our Times, Concerning the Right of Prophesying

Caso queira ler mais argumentos dele, recomendo a obra A Quem Deus deu o Ministério da Pregação?, que apesar de não ser totalmente completa é uma introdução interessante em um preço ultra-acessível (R$ 1,99).

George Gillespie, Comissário Escocês na Assembleia de Westminster:

“O ato da ordenação está na missão e delegação de um homem para uma função eclesiástica com poder e autoridade para desempenhar a mesma; e assim os pastores são ordenados quando são enviados a um povo com poder para pregar a Palavra, ministrar os sacramentos e exercer disciplina eclesiástica entre eles.

Pois ‘Como eles pregarão se não forem enviados?’…

Se seria uma usurpação intolerável, na própria família de um homem, se algum homem lhe tomasse o lugar de mordomo para dispensar a carne à família, não sendo para isso designado, quanto mais seria uma usurpação intolerável na igreja…

Suponha que eles sejam bem capacitados, ainda sim não podem pregar a menos que sejam enviados (…)

Assim, o envio precisa ser a ordenação, não a eleição da igreja; um povo pode escolher para si mesmo, mas não pode enviar para si mesmo (…)

Existem cinco meios e caminhos necessários que devem ser obtidos e usados ​​por aqueles que procuram ser salvos:

(1) invocar o nome do Senhor;

(2) acreditar nele;

(3) ouvir sua Palavra;

(4) um ministério de pregação;

(5) missão ou ordenação. Se os quatro primeiros são perpetuamente necessários ao fim do mundo, o quinto também deve ser; pois o apóstolo coloca quase tão grande necessidade neste último quanto no resto… Não pode haver ofício ministerial sem uma missão ou ordenação ”.

O florescer do Cajado de Arão, A Divina Ordenança de Governo Eclesiástico Vindicada.

Gillespie, por ser um autor que tratou extensivamente sobre governo eclesiástico, traz argumentos bem completos e com bastante clareza em uma obra curta que em português foi chamada O Ministério da Palavra: Condições Bíblicas para a Constituição de um Pregador.

Nessa obra, ele ataca os argumentos anabatistas contra o ofício e as prerrogativas do Ministério do Evangelho, e estabelece a verdade cristã contra esses erros.

Foi o Teólogo mais jovem na Assembleia que reuniu os maiores teólogos da Inglaterra, e ficou conhecido por sua precisão argumentativa. Foi amado pelos amigos, odiado pelos inimigos e respeitado por todos.

Por 7 reais, você vai aprender mais sobre as prerrogativas do Ministério de Pregação do que muitos pastores evangélicos do Brasil sabem hoje, e vai poder ajudar sua igreja a se organizar de um jeito mais bíblico e mais cristão.

John Owen, apesar de congregacionalista, também entendia que tornar a pregação um direito universal seria o fim da religião cristã ortodoxa:

[1] “… para um ensino público, formal e ministerial, duas coisas são exigidas do mestre: 

– primeiro, dons de Deus; 

-em segundo lugar, autoridade da igreja (falo agora de casos comuns). Aquele a quem falta isso não é um verdadeiro pastor. 

Para [justificar] o primeiro, Deus não envia ninguém a um emprego, a não ser a quem ele tenha dons para isso(…)

E para os outros, que não possuem autoridade da igreja, nem devem realizar nenhum ato formal propriamente pertencente ao ministério, como é o ensino solene da palavra, pois:

1. Eles não são nenhum dos oficiais de Cristo, Efésios 4:11. 

2. Eles são expressamente proibidos, Jeremias 23:21; Hebreus 5: 4. 

3. A bênção da palavra é prometida apenas aos mestres enviados, Romanos 10: 14-15. 4.

Se ser qualificado é ser chamado, então:

(1) Cada um pode oficiar tantos deveres sagrados quanto ele imagina ser capaz de cumprir;

(2) As crianças (como eles relatam sobre Atanásio) podem batizar;

(3) Todo cristão comum pode administrar a Comunhão.

Mas são infinitos os argumentos que podem ser multiplicados contra essa invenção. Em uma palavra, se nosso Salvador Cristo é o Deus de ordem, ele não deixou sua igreja em tal confusão”.

(Works, vol. 13, p. 43).

“(…)Deus distingue as pessoas com respeito ao ofício. Ele as coloca no ministério. Contra isso o velho Corá se queixou (…)

Mas o ofício é honroso; e assim são aqueles por quem ele é cumprido da maneira devida. E é prerrogativa de Deus chamar a quem lhe aprouver. E não há maior usurpação nisso do que a constituição dos ministros pelas leis, regras e autoridade dos homens. Pois qualquer pessoa que ocupar um cargo que não tenha dons para tal, nem chamado para isso, assenta-se no templo de Deus e mostra-se Deus.”

Hebreus, vol. 5, p. 362.

Thomas Manton:

“O próprio Cristo recebeu seu chamado para autorizá-lo: ‘Tu me enviaste ao mundo’; portanto, muito mais você precisa de uma chamada para autorizá-lo. 

Se a obra não está dentro dos limites de seu cargo, você não glorifica a Deus e não pode agradá-lo; e isso será ruim para sua conta; você não pode, quando morrer, dizer como Cristo: ‘Eu te glorifiquei na terra, terminei a obra que me deste para fazer’ (João 14: 7). 

Você não glorifica a Deus com nada além daquilo que Ele lhe deu para fazer. É notável que Cristo não se intrometeu em seu chamado. Quando alguém veio suplicar-lhe para ‘falar com seu irmão para dividir a herança com ele’, Ele lhe disse: ‘Homem, quem me nomeou juiz ou divisor de você?’ (Lucas 12: 4). Quem foi mais apto para julgar do que Cristo? No entanto, esta não foi a obra que Ele realizou ”

Exposição de João 17, pp. 328-329

Francis Turretin:

“… ninguém, a menos que seja enviado por Deus, deve usurpar o ofício de ensinar na igreja, seja uma doutrina nova ou antiga, porque é sempre evidente que ninguém deve assumir o papel de um Ministro a menos que seja enviado pelo Senhor.

E todos os que ensinam na igreja sem serem chamados ou enviados estão ‘ensinando em seu próprio nome’ e não em nome de Cristo (João 5:43) (ou seja, não enviados por Deus). Fazem isso por si próprios e por sua própria autoridade e confiança.

Fazem por si mesmos e, por conta disso, merecem o nome de ladrões e salteadores e não de verdadeiros pastores (João 10: 8) ”

Institutes of Elenctic Theology, vol. 3, p. 212.

Wilhelmus à Brakel:

 “Pergunta: É necessária uma comissão divina para o cargo de ministro? 

Resposta: Socinianos e outros respondem negativamente; no entanto, respondemos afirmativamente. 

A necessidade de uma comissão divina é primeiramente evidente em vários textos claros(…) Efésios 4:11, ‘E ele deu alguns, apóstolos(…) e alguns, pastores e mestres. ‘Como você pode observar, Cristo deu pastores e mestres, bem como apóstolos ‘para o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para a edificação do corpo de Cristo’ (Ef 4: 11-12)(…) Considere também Romanos 10:15: ‘E como pregarão, se não forem enviados?’ É o mesmo que afirmar que ninguém pode ou deve pregar sem ser enviado. Não se pode fugir da questão aqui … ”

The Christian’s Reasonable Service, vol. 2, p. 118.

William Apolônio (1602-1657):

Pergunta: Se o exercício da profecia [ou seja, pregação] é uma instituição perpétua na Igreja de Deus, por meio da qual os homens privados, que não exercem nenhum cargo na igreja, podem, para o exercício dos dons do Espírito, publicamente perante todo o corpo da igreja, pregar a Palavra de Deus com toda autoridade em nome de Deus, e explicá-la e aplicá-la para instrução, refutação, repreensão e consolo dos ouvintes?

Resposta: Nosso julgamento é que ninguém pode publicamente, na assembleia da igreja dos fiéis, pregar a Palavra de Deus em nome de Cristo e de Deus, a não ser aquele que é enviado por um chamado divino para essa obra.

Como os protestantes demonstram contra os socinianos e anabatistas a partir de Rom. 10,14-15; Heb. 5,4-5; Atos 13.1-2 e 14.22; Tit. 1,5; 2 Tim. 2.2, e outras passagens e argumentos, e também dos exemplos de todos aqueles que de, maneira extraordinária ou ordinária, foram enviados para pregar a Palavra.

Essa missão, ou envio, consiste não apenas em conferir dons, pelos quais uma habilidade é dada por Deus, mas em conferir um poder pelo qual é dada autoridade para pregar a Palavra de Deus, autoridade esta que muitas vezes não é conferida àqueles a quem Deus concede dons e habilidade.

Pois [essa autoridade] é pela Palavra de Deus negada às mulheres, em cujos lábios está a Lei de Deus (Pv 31.26) e uma aptidão para ensinar as mulheres mais jovens (Tito 2.3-4).

É certo da Palavra de Deus que Deus ordena a todos os crentes que exortem, consolem, reprovem e edifiquem uns aos outros (Hb 3.13; 1 Tes. 4.18 e 5.14), mas é pelo dever comum da caridade e da lei da natureza que eles estão assim ligados. E, portanto, a Palavra que eles declaram aos seus vizinhos, não obriga pela autoridade de qualquer ofício especial a obediência aqueles que a ouvem, mas em virtude do assunto ou assunto contido naquela Palavra.

Mas os ministros da Igreja declaram a Palavra de Deus como Embaixadores de Cristo, com autoridade de ofício especial e poder para ligar e desligar (1Co 4.1-2; 2Co 5.20; João 20.21-22).

Há, portanto, uma diferença múltipla entre as admoestações caridosas de cristãos particulares e a pregação autoritativa dos ministros de Deus.

Uma consideração de certas controvérsias (1644) 75-83

John Gill:

“[Os pregadores] devem receber um chamado de Deus e dos homens para esta obra; ‘Ninguém toma para si esta honra, senão aquele que é chamado por Deus’; que é o chamado interior, e é conhecido pelo tipo de dons concedidos a um homem, adequados para tal serviço; e pela providência de Deus, inclinando e dirigindo a igreja para separá-lo da obra para a qual o chamou; e o chamado externo é feito pela própria igreja, sob o julgamento de seus dons(…)

Eles devem ser enviados, eles devem ter uma missão de Cristo, e isso pela igreja (Rom. 10:15), os apóstolos de Cristo foram enviados por ele, como ele foi por seu Pai (João 20:21).

Houve alguns no tempo [de Jeremias] que correram e não foram enviados; profetizado, embora não falado; mas esses não eram verdadeiros profetas e ministros de Deus ”

Doutrinal and Practical Divinity, vol. 2.

Daniel Featley:

[Tese dos] ANABATISTAS:

Que não deve haver distinção pela Palavra de Deus entre o Clero e os Leigos; mas que todos os capacitados possam pregar a Palavra e administrar os sacramentos.

A REFUTAÇÃO.

Este erro prodigioso (que pode ser facilmente refutado não apenas pela luz clara das Escrituras e pela prática da Igreja Cristã desde o início até hoje, mas também pela luz cintilante da Razão e dos Costumes de todas as Nações) se estabeleceu em uma seita mungrill recente entre brownistas e anabatistas, e assim, depois de certo tempo, justificou o escândalo lançado sobre alguns nas Igrejas Reformadas.

[Esse escândalo foi lançado] pelo cardeal Bellarmino, [afirmando] que os protestantes não têm ordem alguma entre eles, mas confusão; que entre eles todos os tipos de comerciantes e artífices manejam a Palavra e os sacramentos com mãos sujas, para grande desonra de Deus e profanação de suas sagradas ordenanças.

Mas que o Cardeal e todos os papistas saibam que não reconhecemos nenhum desses rabinos ruivos ou levitas de avental, mas os detestamos e abominamos tanto quanto o grande Patriarca dos Anabatistas, Cuiperdolin, que em Münster, na coroação de seu Rei Taylor, passando por uma grande multidão de pessoas, soprou em todas as suas bocas, dizendo a cada um em particular: “O Pai te santificou, receba o Espírito Santo”.

Esta heresia pode ser derrubada com três golpes de machado (como fala São João Batista) dados na raiz da árvore, desta maneira:

ARGUMENTO I

Nenhum homem pode unir ou confundir aqueles a quem Deus separou e distinguiu: Mas Deus em sua Palavra separou o clero dos leigos; e distinguiu os sacerdotes do povo, Num. 18:20; Esses 4: 4, 9; Mal. 2: 7 Portanto, ninguém deve confundi-los [como se fossem a mesma coisa].

RESPOSTA DO ANABATISTAS

Pela Lei Levítica, os sacerdotes foram distinguidos do povo, mas essa distinção foi retirada agora, e pelo Evangelho qualquer que tenha o dom da Oração e Interpretação das Escrituras, pode tanto expor, como mergulhar-se em fazer todas as coisas que o clero ultimamente apropriou-se.

REFUTAÇÃO

1. A distinção entre Sacerdote e Povo é mais antiga do que a Lei Levítica e fundamentada na própria Lei da Natureza; pois os indianos têm seus brâmanes, os turcos seus muftés, os romanos pagãos tinham seus flâmines e arquiflâmines, e os bretões e galeses, seus druidas.

Antes da Lei ser dada, lemos sobre os sacerdotes no Egito, em Canaã e em Midiã.

Melquisedeque era um sacerdote do Deus Altíssimo, Gn 14:18. Os sacerdotes no Egito tinham uma parte para si próprios, Gen 47:22. Somente a terra dos sacerdotes, o Faraó não comprou, pois os sacerdotes tinham uma porção designada a eles, e eles comeram a porção que ele lhes deu.

E em Êxodo 02:16 há menção de um sacerdote de Midiã que tinha sete filhas.

2. No Novo Testamento, embora o sacerdócio levítico seja retirado, ainda permanece uma distinção entre o clero e os leigos; pois Cristo (Mat. 28:19) dá a comissão aos seus apóstolos, e seus sucessores para ensinar todas as nações e batizá-las, e (João 20:22) para remitir e reter pecados; e o Apóstolo evidentemente distingue o rebanho de seus pastores, Atos 20:28. “Cuidem de vocês mesmos e de todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo os constituiu supervisores”. E em Gal. 6: 6: “O que é ensinado na palavra comunique-se com o que o ensina em todas as boas coisas.”. E Heb. 13:17 “Obedecei aos que vos governam e submetei-vos, porque eles zelam por vossas almas, como os que devem prestar contas, para que o façam com alegria e não com tristeza.” (…)

Dippers Dipt, Artigo 4. Sobre a vocação dos pastores.

John Brown:

“… ninguém, sem ser regularmente chamado para isso, por mais bem qualificado que seja, deve exercer qualquer parte do ofício ministerial.

(1) A Escritura distingue claramente entre dons e uma missão para esse cargo (João 20:21, 23; Isa. 6: 6-7, 9).

(2) Ela declara mais expressamente uma chamada absolutamente necessária para tornar alguém um mestre público (Rom. 10:15; Heb. 5: 4, 6; Jer. 23:21, 32).

(3) As características de pregadores, arautos, embaixadores, mordomos, vigias, anjos, mensageiros, etc. necessariamente importam um chamado divino (I Cor. 9:17; II Cor. 5:20; I Cor. 4: 1-2 ; Hb 13:17; Rev. 1:20).

(4) As regras prescritas para as qualificações, eleição e ordenação de ministros do evangelho são declaradas obrigatórias até a segunda vinda de Cristo (I Tim. 3: 1-8; 5: 21-22; 6:13).

(5) Deus puniu severamente Corá, Saul, Uzá, Uzias e os filhos de Ceva, por se intrometerem no trabalho do ofício sagrado (Números 16: 3-11, 32-38, 40; I Sam. 13: 8 -14; I Crônicas 13: 9-10; II Crônicas 26: 16-18; Atos 19: 13-16).

(6) Correr para o ofício ministerial sem um chamado adequado é inconsistente com uma impressão correta da natureza terrível de sua obra (II Cor. 3: 5-6; 2:16; Eze. 3: 17-21; 33: 1-20; Rom. 1: 1; Gal. 1: 15-16; João 3: 27-28; Heb. 13:17; 5: 4-5) e introduz desordem selvagem e erro (Gal. 2:5).

(7) A conexão multifacetada de Cristo com este ofício – em ser o autor dele (Ef 4: 11-12), colocando muito da ordem e edificação de sua igreja nele (Atos 20:28; I Pedro 5: 1-3), incluindo tal poder e autoridade nele (Mat. 16:19; 18:18), sua entrega de uma confiança tão importante aos ministros (Colossenses 4:17; I Tim. 6:20), sua recomendação a seu povo para honrá-los e obedecê-los (I Tim. 5:17; Heb. 13: 7, 17) e sua promessa de assistência presente e recompensas graciosas futuras para o desempenho fiel de seu trabalho – [tudo isso] manifesta a necessidade de uma ajuda divina e chamada regular para isso (Mat. 28:20; I Pedro 5: 4) ”

Teologia Sistemática, p. 566.

R.L Dabney:

“[Cristo] ensinou [sua] igreja que suas funções orgânicas públicas devem ser desempenhadas por meio desses oficiais, cujos nomes e lugares ele mesmo designou … Foi assim que os mais altos evangelistas foram nomeados (Atos 16: 1- 3; I Tim. 4:14; II Tim. 1: 6). Assim, os ministros ordinários da igreja devem ser perpetuados (II Tim. 2: 2).

Vemos assim que Cristo não deixou nada à invenção humana, quanto à instrumentalidade para pregar seu evangelho; esse assunto está claramente resolvido.

Deve ser suficiente para o cristão humilde que assim Cristo ordenou. Portanto, estamos tão certos de que o plano de Cristo é o mais sábio, como qualquer experiência humana pode nos tornar; não precisamos das lições da história da igreja, tantas vezes repetidas, onde as melhorias que o zelo oficioso do homem insistiu em fazer sobre o plano de Cristo produziram seus frutos regulares de dano e confusão, para nos deixar contentes com o método ordenado. Em meio a todas as plausibilidades e empolgações das invenções humanas, permanecemos quietos na convicção de que Cristo sabe o que é melhor…

Se, por exemplo, leigos como o falecido Sr. Brownlow North e o Sr. Moody têm as qualificações e o selo da bênção divina que seus amigos reivindicam para eles, isto é, em nossa opinião, uma demonstração de que Deus os chama para o ministério regular, e eles devem buscar uma ordenação regular como outros ministros, cada um naquele ramo da igreja que tem a preferência da consciência deles (…)

(…) todos os presbiterianos, então, tenham em mente como um ‘fato fixo’ que o reconhecimento da pregação leiga significa Latitudinarianismo ”

Discussions: Evangelical and Theological, vol. 2, Lay Preaching pp. 78-79.

A.W Pink:

“É verdade, abençoadamente verdade, e Deus nos livre de dizer uma palavra para enfraquecer isso [o sacerdócio universal], que todos os crentes desfrutam de igual proximidade de Deus, que cada um deles pertence a esse ‘santo sacerdócio’ que deve ‘oferecer até os sacrifícios espirituais aceitáveis ​​a Deus por Jesus Cristo ‘(I Pedro 2: 5). 

No entanto, nem todos os crentes são chamados por Deus para ocupar a mesma posição de honra ministerial, nem todos são chamados para ser pregadores do Seu Evangelho ou mestres da Sua Palavra (Tiago 3:1). Deus chama e equipa quem Lhe agrada para se dedicar ao Seu serviço público, e ordena que as fileiras e fileiras de Seu povo ‘obedeçam aos que têm o governo sobre vocês e se submetam’ (Hb 13:17).

No entanto, é triste dizer, em alguns círculos o pecado de Corá se repete. Eles exigem um socialismo eclesiástico, onde todos podem falar. Eles ‘amontoam professores para si mesmos’ (II Tim. 4: 3). Isso não deveria ser assim.”

Exposição de Hebreus, p. 374.

Gordon Clark:

“Exercer o ofício sem ordenação é pecado (…) A ordenação confere autoridade para pregar, administrar os sacramentos e exercer disciplina (…) O dunamis ou “capacidade de dons” é uma coisa; a exousia ou autoridade para isso é outra coisa … 

A Ordenação não é simplesmente uma função apostólica que cessou com o primeiro século. A pregação é comum e regular. Portanto, missão ou envio também. A Grande Comissão de Mateus 18:19-20 mostra que a missão é perpétua e, portanto, o envio também.

No mesmo sentido, Lucas 12:42. Visto que a ilustração descreve o trabalho de um mordomo, sua lição não se aplica a todos os cristãos. A aplicação imediata é para os próprios discípulos ou apóstolos. A aplicação estendida é para futuros administradores. O mordomo da parábola e o ministro de uma igreja foram, portanto, nomeados com autoridade. A conexão entre um mordomo e um bispo é feita em Tito 1:7 (…) 

Hebreus 6:1-2 lista alguns ensinamentos elementares, como os que podem ser exigidos dos catecúmenos antes do batismo ou mesmo antes de uma igreja ser organizada. Um desses pontos elementares é a ordenação, claramente necessária à organização de uma igreja. Assim, além do arrependimento e da fé, a ordenação é uma doutrina elementar (…) I Timóteo 4:14 mostra que a ordenação é um ato de presbitério. I Timóteo 5:22 adverte contra impor as mãos repentinamente em algum neófito interessante. 

E Tito 1:5, pelas palavras ‘em todas as cidades’, mostra que a ordenação é regular e comum (…)

Os ministros do Evangelho são chamados de pastores, entrando pela porta e não a arrombando; eles são chamados de anjos, embaixadores e governantes. Mas os homens não se atribuem a posição de embaixador ou mesmo de pastor. Eles devem ser nomeados e enviados.

(…) Paulo chama a si mesmo de mordomo em 1 Coríntios 4:1, e assim chama todos os bispos em Tito 1:7.

Ministros são, portanto, servos; eles convidam pessoas para a festa de casamento. Mas claramente ninguém pode convidar adequadamente os convidados para a festa de casamento de um senhor, a menos que o senhor o tenha previamente nomeado. Paulo foi assim designado: ‘Portanto fui ordenado pregador e apóstolo’ (I Timóteo 2:7), frase em que notamos que Paulo foi ordenado pregador e também apóstolo. Ele repete isso em II Timóteo 1:11. Os pregadores, portanto, devem receber autoridade para pregar por ordenação.

“ The Presbyterian Doctrine of Ordination ”, em The Church Effeminate, pp. 192-201).

E, por fim:

(…)

A principal intenção e objetivo neste nosso trabalho tem sido opor-se àqueles que dizem:

-Que não existe um Ofício como o Ofício do Ministério ou

-Que este Ofício está completamente perdido ou

-Que todo homem que se considera capacitado pode se intrometer no Ofício Ministerial.

Consideramos essas opiniões destrutivas para a religião cristã, e uma entrada para o papado e todos os erros, para toda desordem e confusão e, finalmente, para toda profanação e ateísmo.

Existem quatro coisas que justamente merecem ser odiadas por todos os bons cristãos.

1. Uma tolerância universal de todas as religiões.

2. Uma admissão universal de todos os homens à Ceia do Senhor.

3. Graça Universal, isto é, que Cristo morreu igualmente por todos, e que todos os homens têm livre arbítrio para serem salvos.

4. Concessão universal a todos os que se supõem capacitados para pregar sem Ordenação.

Este último é o que refutamos abundantemente e que concebemos ser insuportável em uma comunidade cristã bem ordenada.

E nossa oração a Deus é: que nossas respectivas Congregações possam ser estabelecidas na verdade contra este e todos os outros erros; e para que tenham o cuidado de não serem conduzidos pelo erro dos iníquos, para não cair de sua própria firmeza. E (para prevenir este erro) que eles possam crescer na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, a Ele seja a glória agora e para sempre. Amém!

Jus divinum ministerii evangelici. Or The divine right of the Gospel-ministry

Deixo aqui, portanto, uma última exortação de George Gillespie aos irmãos bem-intencionados que, sem ser ordenados para o Ofício da Igreja, pregam publicamente:

E agora, no final, meu conselho e exortação é para os irmãos que os encarregam de pregar ou profetizar, nem sendo nem pretendendo ser ordenados para o Ministério, que eles refletissem uma segunda vez sobre o assunto.

E vendo que profetizar que eles tomam por seu precedente, foi tão claramente provado como tendo sido extraordinário, visto também que Cristo nomeou pastores e mestres para a obra ordinária do ensino público, edificando a Igreja e aperfeiçoando os santos, Efésios: 4 11-12. (cuja ordenança é suficiente para esse fim), esses irmãos devem fazer bem em melhorar seus dons de outra maneira, por escrito, e por exortar, admoestar, instruir, reprovar, confortar outros, daquela maneira fraterna, que é adequado aos cristãos fora do ofício.

Se eles desejam qualquer outro trabalho na Igreja, que eles desejem o ofício pastoral e se ofereçam a julgamento para isso, pois como Gregório Nazianzeno diz, orat.7: Cristo ordenou esta ordem na sua Igreja, que o rebanho seja uma coisa, os pastores outra;

E, novamente, este é negócio de ensinar é grande, mas é seguro e inofensivo aprender, por que te fazes um pastor, quando tu és um do rebanho?

Se os Profetas e Profecias da Igreja Primitiva eram extraordinários e, portanto, não deveriam continuar, ou se há precedentes para a pregação e profecia daqueles que não são nem Ministros nem Candidatos ao ministério; Cap. 5 do Tratado sobre Variadas Questões

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *